Sofia Ribeiro Fernandes, crónicas de uma Mãe Pediatra e de uma Pediatra Mãe



Sofia Ribeiro Fernandes, crónicas de uma Mãe Pediatra e de uma Pediatra Mãe


sábado, 9 de março de 2013

Eu dou, Tu dás, mas o R. Dá...

Na mão, um pé verde de tulipa branca, torturada pelos deditos nervosos e mexericos, esticava-se até mim. Na outra mão, um envelope verde-ervilha sussurrava Mamã numa letra de criança da primeira classe a esconder palavras dóceis.
Num ápice de um sopro, esticou estas dádivas para mim, sem saber muito bem porquê, mas com a ânsia nervosa miudinha de Dar...
O R. é um príncipe generoso, generoso nas gargalhadas, generoso a pintar para além dos riscos dos desenhos, generoso a encaixar comida na boca, tem bochechas generosas, generoso nos momentos de fúria, generoso nas birras teimosas, generoso nas palavras transparentes, generoso nos abraços apertados que me tiram o ar e me fazem ficar quase púrpura, generoso nas lágrimas piegas, às vezes até manhosas, que rolam numa correria pelo rosto, generoso nas correrias que ainda não sabe dar...
Simplesmente generoso, em troca de nada.
 
Em troca de um nada, o R. generosamente ensinou-me que existe um lado do mundo onde o relógio não corre, que não tem bilhete de entrada, onde se Dá pedaços de tudo...
 
 
 
R. e a tulipa de pé torturado

A dádiva do R.
 

2 comentários:

  1. E eu já gosto tanto deste R. generoso e doce.
    E já gosto tanto de si.
    Um beijo*

    ResponderExcluir