Sofia Ribeiro Fernandes, crónicas de uma Mãe Pediatra e de uma Pediatra Mãe



Sofia Ribeiro Fernandes, crónicas de uma Mãe Pediatra e de uma Pediatra Mãe


sábado, 16 de março de 2013

Pensamento engarrafado

Búzios esquecidos, pedaços de corda centenária de navios mergulhados com cofres de moedas de ouro, pauzinhos partidos, algas pegajosas e bailarinas, pegadas subtis de gaivotas emproadas, pedaços que mascaram a areia tonta e revolta da praia que é beijada grotescamente pelas ondas, vestidas de azul-escuro e  a guerrear com as rochas.
Há uns dias, encontrei, deitada na areia, uma garrafa de vidro límpido, calma e intocável, serena e vazia...No rebuliço do pensamento empurrado pelo vento atroz que se fazia sentir, filosofias parvas emergiam: de onde vinha? que peixes teria conhecido? que idade tinha?...Não tinha rótulo, endereço ou mensagem.
Nasceu assim um desafio para o R.: pintar o amarelo numa folha qualquer, desenhar o pensamento daquele instante, as  palavras, escrever a hora, o dia, o sítio, dobrar o pensamento num rolo apertado por uma fita de seda amarela, mergulhá-lo na barriga de uma garrafa transparente secretamente lacrada e deixá-la ir com as ondas até onde ela quiser...O pensamento engarrafado e amarelo do R. irá viajar sem destino, vai namorar as areias, conversar com os peixes, dormir no colo das algas e talvez um dia chegue ao lado de lá do mundo às mãos de outro príncipe que também goste de amarelo.

O pensamento engarrafado do R. vai viajar sem destino... Se o encontrarem, enviem um de volta...


A garrafa deitada, serena e vazia... Nasceu o desafio!

Um comentário:

  1. Sempre me convenci que um dia iria encontrar uma dessas garrafas. :)

    ResponderExcluir