Sofia Ribeiro Fernandes, crónicas de uma Mãe Pediatra e de uma Pediatra Mãe



Sofia Ribeiro Fernandes, crónicas de uma Mãe Pediatra e de uma Pediatra Mãe


segunda-feira, 31 de março de 2014

3 anos de TIP Norte...

1 de Abril de 2014, já amanhã! 
Parabéns pelos 3 anos em que fizemos, fomos e defendemos como Transporte Inter-hospitalar Pediátrico do Norte...
Espero que gostem...

video

Kings Of Leon - Pyro

Fenomenal....Thanks!

Lá no sítio onde as paredes são cinzentas, os fios de muitas cores levam e trazem poções mágicas e os corações se montam e desmontam como peças de Lego, também há pessoas de coração cheio e alma hipertrofiada de amor. Que fazem para além daquilo que vem nos livros e que por isso taquicardizam a vida dos que não conhecem. Lá no sítio onde se constroem corações, acham-se pessoas que levam chupetas para meninos cor-de-chocolate e que não têm medo de falar daquilo que vai além do cinzento que paira nas suas cabeças.
Às pessoas de nome incógnito que levaram, às que se riram disso e até às que acham que é uma forma ridícula de exposição, obrigada por lerem e fazerem isto: 75 chupetas a juntar às outras tantas que vieram pelo correio ou nas mãos dos amigos de casa.
À J.C. que fez isto:

75 chupetas... UCI de Cirurgia Torácica do CHSJ

quarta-feira, 26 de março de 2014

A escola do R. no dia de hoje

A escola do R. foi a primeira de muitas crónicas sobre o sítio e as pessoas- as rainhas mágicas- que  fazem o R. Estar e Ser um príncipe igual a tantos outros...
E, hoje a Mãe do R. que é Pediatra foi à escola falar sobre Ser Médica. Bata branca com perfume a algodão, touca romântica rosa dos meninos com muitos fios, estetoscópio neonatal de fazer sucesso entre os mais pequenos. Falamos sem rei nem roque, como tem de ser com estes meninos de poucos anos... Respondemos a perguntas que nunca o foram e que choviam de entre os dedos magricelas no ar... Ouvimos segredos sussurrados nas filas do meio. Foram as picas, o tirar sangue, o doer a garganta, o ir ao hospital, o tomar banho, o ser operado. Saboreamos aquele pedaço de tempo em que o R. bateu palmas numa demonstração ingénua de Rodrigo... Falamos do helicóptero e perguntaram se era igual à tropa, ao que respondi que sim...vá, tropa de pijama branco e estetoscópio ao pescoço. E, ouviram-se os corações acelerados... um a um, num silêncio mudo instalado na biblioteca. Adorei tê-lo feito, falar sobre ser Médica mas sobretudo ouvir o R. apresentar a Mãe aos ilustres ouvintes do metro quadrado ao lado.
Ficaram as palavras em tom minúsculo, os toques na minha barriga saliente de quase todas as meninas da sala e um bolo de cenoura sem glúten que desmaiou em 5 minutos... Obrigada às rainhas mágicas do R., dos Rs e dos outros meninos...
Mais uma vez deixo a receita para uma escola de sucesso.

Para os interessados deixo a receita da poção mágica. Rebuliço de cabeças saltitantes
Ingredientes escritos no quadro de lousa: 500 g de amor, 350 g de sabedoria (dos livros), 350 g de sabedoria (da vida), 100 g de devoção, 100 g de dedicação, 50 g de amizade, uma pitada de olhares reprovadores e uma ou outra palmada na mão (às vezes, é preciso).
Técnica: Derrama-se um a um cada ingrediente num pote envelhecido e vai-se dissolvendo com um pau de giz numa dança circular. Aquece-se em lume brando com um sopro de alegria...


Autoria da poção mágica: Prof. Luisa, Prof. Manuela e todas as Professoras e Auxiliares de Acção Educativa cujo nome não sei

Mãe que vai falar de Ser Médica

Apavorada...prefiro dar aulas na faculdade

Pós-Mãe e um bolo de cenoura


Upsee harness...imperdível!

Eu tenho um pião que gira ao contrário... Quando mo deram para a mão não sabia muito bem o que fazer com ele. Teimava em girar ao contrário com os seus milhares de giros-girantes teimosos e desobedientes. Os senhores de relógio quase parado (como lhes chamei uma vez em tom de fúria de Mãe) escrevem sempre uma história em cadernos de duas linhas antigos, desbotados e de folhas amarelas com cheiro a mofo para cada um desses piões que giram ao contrário. É uma história copiada, amestrada, destinada a uma vida a preto e branco, vagarosa como um caracol. E, é sempre assim... tal e qual, posso dizer com toda a certeza. São as mãos que receberam esses piões travessos que têm de aprender a dança do pião sem olhar para o espelho. Têm que aprender a girar ao contrário ao som da música que é de cada um. O meu pião ainda gira ao contrário, mas gira muito até ficar tonto e cair, ri muito quando descobre como é bom girar sem ser ao contrário, fica despenteado com o vento que faz ao girar. Aprendi (aprendemos) a girar com ele e esqueci o que vem nos livros imperiosos da minha estante de Pediatra para o poder fazer...

Às Mães que aprendem a girar ao contrário e que caminham com os piões contra todas as expectativas. Uma Mãe, um filho com paralisia cerebral com dificuldade na marcha e em manter a posição erecta. Uma criação: Espreitar em Upsee harness!



Upsee harness




terça-feira, 25 de março de 2014

As Crónicas non-stop

Uma chuva colorida de projectos cai ao ritmo dos pingos gorduchos da chuva fria que cai na janela. Cronicando, lá vamos nós, as meninas Ss e o R, dedilhar sobre mais um... A convite da J do D´Barriga vamos falar de pediatrices no próximo dia 5 de Abril no encontro Vamos Ser Pais, nascido do Barrigas de Amor
E, sabem lá, como falamos, tagarelamos sem parar... 
Encontramo-nos lá?





segunda-feira, 24 de março de 2014

STOP

Às pessoas amigas das Crónicas, às pessoas que me lêem, aqui ou ali, pontual ou assiduamente. Às pessoas de cabelo escorrido, encaracolado, com perfume a mar e às que não têm cabelo. Às pessoas que se dedicam a causas e às que não estão nem aí. Li hoje uma causa divulgada num blog que, por ser tão diferente do meu, me faz parar no meio do supermercado para o ler. Basta isso e após concedida autorização, deixo aqui o pedido. 

domingo, 23 de março de 2014

Beijo pastilha-elástica

Merece um beijo daqueles que colam à bochecha, dos que apelida de pastilha-elástica como me ensinou...
Parabéns querida A. pela tua B.!

A. beijocas... no primeiro dia em que nos vimos pessoalmente!

sexta-feira, 21 de março de 2014

Baby S Shower & Gin Shower... nós é que fizemos...

Fomos nós que fizemos... em nossa casa!
Do lado de cá...
Palhinhas de cor, balões de papel, garrafas pequeninas, potes, frascos, ardósias e tudo muito branco e cor-de-rosa... Letra de professora primária desenhada a pau de giz em cada pormenor. Salada de frutos vermelhos, embebida em canela e açúcar feita pela Mamã... Pão de ló preguiçoso da vovó C... Suspiros de colar ao palato, cupcakes quase intocáveis de tão maravilhosos, tarte merendada de limão que dá um frio gostoso nas bochechas, doces de ir tocar nas nuvens pela Nuvem Cake Design. Perfume a flores alinhadas pela Lírio. Som de fundo, sussurrado de Bebel Gilberto. Cestas que se enchem de mimos e de chupetas. Retratos do maravilhoso fotógrafo Ricardo.
Do lado de lá da janela...
Especiarias deitadas em frascos mil, gin X e Y e Z, perfume a lima e água tónica, batatas fritas da praxe e uns patuscos, mas para mim indispensáveis, salgadinhos milimétricos da Padaria Ribeiro...
E conseguimos muitas chupetas para os meninos cor-de-chocolate e para uns outros tantos que possam por aí precisar, para além de roupas usadas cheias de história que os amigos trouxeram a pedido das Ss... De coração cheio!

Aos olhos do Ricardo, nosso fotógrafo de sempre, cá vai:














From inside...

Recém-chegados dois conjuntos maravilhosos, abraçados a um cartão mimoso e  a namorar um catálogo de perder a cabeça... Gravidez é isso também... barriga voluptuosa emoldurada por lingerie com toque de anjo a encostar o corpo como algodão doce.
Para as quase mamãs, para as recém-mamãs, para as curiosas, para mim...
Obrigada Lingerie Rêverie... Amei os mimos!


Styling framboesa

Romântico

Catálogo de perder a cabeça

Próxima aquisição 

quinta-feira, 20 de março de 2014

f-e-l-i-c-i-d-a-d-e

f-e-l-i-c-i-d-a-d-e, é melhor se soletrada, aos bocadinhos, a pintalgar aqui e acolá, às vezes preguiçosa, às vezes escondida. 
É pé descalço na areia fria molhada. É a mão roliça e tonta que enrola no pescoço com o acordar do sol. É o perfume a caril dissolvido nas ruelas estreitas de cor. É um gole de água fresca. É uma flor do meio do caminho que vem surdina da mão para o cabelo preto. É o vento que sopra pela janela aberta do carro. É um casaco tecido por agulhas débeis ainda não esquecidas. É um retrato. É o abraço inesquecivel à porta da urgência. É o perfume a flores de primavera às duas da manhã. É um colo. É um crepe com gelado de baunilha barato já derretido. É uma loucura de véspera de Natal. É o inesperado. É a gargalhada da mesa do lado na esplanada. É um bolo acabado de cozer. É um ponto de exclamação, mas também pode ser reticências. É um biquini branco a desenhar a pele chocolate. É a mão que se entrelaça a primeira vez. É uma viagem. É uma surpresa. É um suspiro que não limpa o nó dentro do peito. É um passo trapalhão que não sabia se ia dar. É um frasco de vidro recheado de gomas pegajosas de mil cores. É deitar numa cama acabada de fazer. É uma música (clica) que toca ao ritmo das gotas do chuveiro. É uma dança de borboletas na barriga. É simplesmente pedaços crus de coisas variadas que nos fazem rir, sorrir ou chorar por não termos reparado nelas mais cedo. É voar sem medo. Simplesmente ser...ou procurar ser f-e-l-i-c-i-d-a-d-e...


f-e-l-i-c-i-d-a-d-e em mim carimbada
pelo R. lábios-morango em cada pedaço de vida



f-e-l-i-c-i-d-a-d-e na barriga












quarta-feira, 19 de março de 2014

Ao meu Pai...

E, ao meu Pai...
O meu Pai é um homem de cabelo às riscas, de mãos tisnadas pela vida, que arregaça as mangas e que se descalça quando é preciso, que namora o fogão e faz petiscos de crescer água na boca, que iça o príncipe R. no colo dorido, que deixa cair lágrimas, que sorri, que fica e que está sempre... Diz baboseiras repetidamente e resmunga como um disco de vinil riscado. Não sabe línguas esquisitas mas sabe ler por entre-linhas. 
Ser Pai é ser como o meu: aquele que fica e está Sempre.


Eu & o meu Pai



Ao Pai que já o era antes de o ser

Ao Pai que te vejo ser, 

Vejo um Pai que já o era antes de o ser. Vejo um Pai que me levou a querer ser Mãe outra vez. Vejo um Pai destemido, desafiado e resistente que tem sopro de furacão para os meus medos de bicho-papão.Vejo um Pai que fica do lado e que dá a mão em cada ecografia. Vejo um Pai. 
De nós...





...by Ricardo Silva Fotografia

segunda-feira, 17 de março de 2014

Lovely session

Um sítio especial perdido entre ovos moles. Um frio cortante que derrapa no calor da vontade. Pescadores aqui e acolá. Um amigo que já sabe de cor as risadas tontas por entre cada retrato, a transbordar serenidade e a deixar fluir. Uma amiga-barriguda que cuida. Uma pintora de rostos que retoca. E, duas miúdas: nós.

Foi uma tarde fabulosa, a convite do Ricardo Silva que tem o dom de fotografar para além do que se vê... Já o conhecia pré-retratos, nos retratos do R. e nas espreitadelas aos trabalhos deslumbrantes que o caracterizam. Conseguiu fazer-me adorar os retratos de barrigudas-meias-despidas. Conseguiu que o frio se dissolvesse nas horas. Conseguiu brilhantemente carimbar mais um passo da minha vida. Obrigada pelo retrato da alma que sempre consegues de mim...
Deixo um bocadinho desses momentos.

Fotografia de Ricardo Silva
Cabelo e maquilhagem de Hair and Make-up by Leila



video

terça-feira, 11 de março de 2014

segunda-feira, 10 de março de 2014

Um pedido cor de chocolate...

Meninos cor de chocolate de corações descalço que estão a aprender a tun-tun-zar, vamos pedir chupetas para vocês... De muitas cores, formas e feitios! Chupetas que vão viajar nas mãos da nossa Cardiologista Pediátrica favorita até à fábrica de corações longínqua do mundo.
É o desejo das Ss...

Vamos levar chupetas para os meninos-coração-trapalhão que passam pelas mãos da Prof. Dra. Maria João Baptista... Quem quiser, envie email para mim (sofiaribeirofernandes@gmail.com)...


Pingos de Amor

Amor-perfeito com perfume de primavera; amor à primeira vista, algures numa rua de Paris, debaixo da nota de um violino; amor-cão feio, escuro e ensanguentado; amor para sempre das cartas antigas envergonhadas no livro de cabeceira, do bolo de noiva de açucar glacé, perdido; amor do primeiro namorado, carimbado para sempre, mas que nunca para sempre, recheado de juras, reluzente; amor da melhor amiga, que fala baixinho, que guarda reliquias, dos telefonemas de madrugada, intemporal; amor fugaz aquele que ilumina as férias de Verão, às riscas azuis e brancas de uma barraca de praia, que faz derreter uma bola de gelado de gengibre e limão; amor à distância que escorre por entre os dedos esticados sobre o asfalto; amor-bandido, feroz, cítrico e traiçoeiro; amor de amigos, amor que ri à gargalhada, embriagado, nocturno; amor porque tem de ser, desconhecido, irracional; amor que espreita à porta do consultório, vestido de verde, enebriante e capaz de levar o amor dos livros de amor para dentro de mim; amor dos primos que nunca vemosamor de Mãe que se desenha com tinta permanente, de suster a respiração, vestido de branco e com perfume a maresia, que faz vento na barriga, cheio de um tudo, cheio de medo, cheio de luz, cheio de alegria, cheio de paz, simples, cru e inato...é um amor não lapidado, que vem e que não vai, é um amor de sempre.


Aos amores de sempre, R. & S.



R & Ss pelo amor para sempre



sexta-feira, 7 de março de 2014

No words, just part of me in those photos...

No words, just part of me in those photos...


















D´barriga...

D'barriga é o estado actual... Barriga voluptuosa que estiiiiiiica e levanta as camisolas, faz doer as costas e não deixa espreitar os pés. Porque as barrigudas querem mimos e barrigas maravilhosamente esticadas. Porque querem saber respirar e mandar nas dores. Porque querem mãos que sabem percorrer os caminhos sinuosos e frágeis que a barriga desenha. 
Por isto e muito mais, vão ao D´barriga...
Encontramo-nos por lá!

D´barriga



No words, just photos

No words, just photos... by Catarina Zimbarra Photography